sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

O QUE MUDA NO SEXO COM A MENOPAUSA?

A menopausa define o final da capacidade reprodutiva da mulher e acarreta diversas consequências físicas e psicológicas que destabilizam a mulher, quer a nível pessoal, social, conjugal ou sexual. E, devido ao aumento da esperança de vida, um maior número de mulheres vivencia um período crescente na menopausa, bem como todos os fatores a esta associados.

Antecedendo a menopausa, existe o climatério, fase em que ocorrem alterações no perfil hormonal da mulher que se caracteriza por irregularidades menstruais e sintomas característicos da diminuição de estrogénio, iniciando assim gradualmente alterações físicas e psicológicas.

Os problemas que caracterizam o climatério, como os afrontamentos, os episódios de transpiração ou as crises de palpitações, também podem influenciar negativamente a vida sexual, mas essencialmente porque causam desconforto e muitas vezes fazem a mulher sentir-se insegura se os problemas forem intensos.

Há também vários fatores de natureza psicológica que podem repercutir-se negativamente na vida da mulher, durante a menopausa. Neste período, por exemplo, é habitual verificar-se uma certa tendência para depressão, perturbação que, entre outras manifestações, origina uma diminuição do impulso sexual.

A sexualidade pode ser afetada também pela sua própria condição de saúde, pela saúde do seu parceiro, pelas medicações que ambos tomam e algumas mulheres podem não se interessar por sexo sequer. Existe a ideia, absolutamente falsa, mas ainda muito generalizada, de que a sexualidade é património da juventude. Com esse pensamento pode ocorrer uma sensação de insegurança pessoal ou uma convicção íntima de falta de atração que conduz ao desinteresse pela vida sexual.
Contudo, a dificuldade sexual mais comum é a perturbação da excitação, o que corresponde à dificuldade na lubrificação, originando diminuição do desejo sexual, aumento das relações sexuais dolorosas e dificuldade em atingir o orgasmo.

Por volta dos 50 anos os ovários deixam de funcionar diminuindo abruptamente a produção de hormonas. O ciclo menstrual resulta da interação cíclica da hormona estimuladora da libertação das gonadotrofinas (GnRH), produzidas no hipotálamo, hormona folículo-estimulante (FSH) e hormona luteinizante (LH).  A FSH e a LH estimulam por sua vez a produção de esteróides ováricos, estradiol e progesterona.

Após a menopausa ocorre uma total privação de estrogénios e androgénios tendo impacto em múltiplos sistemas.

A nível genital, por exemplo, o défice hormonal provoca como elemento mais significativo em relação ao ato sexual, uma progressiva atrofia das paredes da vagina, perdem elasticidade e são menos lubrificadas, podendo levar a algum desconforto ou mesmo dor durante à relação sexual e consequentemente diminuição do prazer.

Mais de 1/3 das mulheres referem problemas da função sexual nesta fase das suas vidas, mesmo sendo um tema difícil de se abordar.

Para algumas mulheres que tendem a associar a sexualidade à juventude, a fase da menopausa implica uma perda de interesse ou mesmo um total afastamento das relações sexuais. Para outras, pelo contrário, o final da etapa reprodutora implica uma espécie de libertação, pois já não receiam uma eventual gravidez, e algumas conseguem até superar nesta fase algumas inibições que condicionavam a sua vida sexual quando eram mais jovens. Além disso muitas mães que tem filhos já capazes de orientar suas vidas podem dedicar mais tempo a si próprias e ao seu parceiro, o que por muitas vezes significa um renascimento da vida sexual.

É importante que a mulher conheça as alterações fisiológicas presentes na menopausa, pois apenas desta forma poderá adequar-se às modificações e aproveitar todo o seu potencial a nível sexual.
A intensa mudança nas funções sociais, psicológicas, emocionais e físicas influenciam a função sexual normal. Porém poucas mulheres procuram tratamento adequado, apresentando como principais barreiras a opinião de que é “normal para a idade”.


Estas terapêuticas usadas antes e após a menopausa a fim de melhorar a qualidade de vida das mulheres podem ser aplicadas em simultâneo, atuando em sinergia, visando a maximização dos resultados:

Terapia farmacológica
Otimização hormonal
Dieta adequada
Prática de atividade física regular
Cura (ou melhoria significativa) de doenças associadas
Eliminação de fatores de elevada tensão emocional
Terapia laser de baixa intensidade.


A sexualidade é um pilar da qualidade de vida e é determinada por uma interação complexa de fatores que refletem experiências evolutivas com a relação sexual ao longo de todo o ciclo vital. A sexualidade dá as pessoas intimidade, afeição, amor, admiração, cumplicidade e Poder.

Henrique Pedroso
Fisioterapeuta
henrique.pedroso@clinicadopoder.pt

Saiba mais em Clínica do Poder

Contacte-nos!

VIVA COM SAÚDE, PODER E QUALIDADE DE VIDA!

GOSTE E PARTILHE MAIS E MELHOR SAÚDE!


sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

O PAPEL DA VITAMINA D NAS DOENÇAS AUTOIMUNES

O estilo de vida do homem hoje em dia deixa o sistema imunitário enfraquecido e desregulado, principalmente porque tem de desempenhar as suas funções de defesa em ambiente de carência nutricional, de stresse oxidativo e regra geral também em ambiente de “guerra imunitária”. Nestas circunstâncias a capacidade de funcionamento do sistema imunitário fica diminuída, o hábito de identificar elementos estranhos e patógenos é tal que, como resultado, se verifica uma “confusão na identificação do que é bom e mau” – surgem as doenças autoimunes.

DOENÇA AUTOIMUNE

Uma doença autoimune é uma doença em que o próprio sistema imunitário do organismo agride/ataca os tecidos sãos do corpo. O sistema imunitário é um complexo orgânico altamente organizado e projetado para procurar identificar e destruir invasores do corpo, incluindo agentes infecciosos, entre outras substâncias. Com a presença de um distúrbio autoimune o sistema imunitário produz frequentemente anticorpos incomuns que visavam inicialmente atingir algum elemento estranho, mas que de forma anormal acabam por atingir vários tecidos sãos. Ocorre frequentemente um processo de mimetismo molecular. 

Alguns exemplos de doenças autoimunes incluem lúpus eritematoso, síndrome de Sjogren, tireoidite de Hashimoto, artrite reumatóide, diabetes juvenil (tipo 1), polimiosite, esclerodermia, doença de Addison, vitiligo, anemia perniciosa, glomerulonefrite, fibrose pulmonar, síndrome de Guillain-Barré (polineuropatiaaguda ascendente), esclerose múltipla, cirrose biliar primária, espondilite anquilosante, miastenia gravis, psoríase, entre outras.

VITAMINA D – COMO INFLUENCIA A IMUNIDADE

Muitos fatores influenciam a funcionalidade do sistema imunitário, desde os hábitos alimentares, atividade física, sono, modelação hormonal, hábitos tabágicos, higiene mental e física, entre outros. Estudos têm percebido a estreita associação da Vitamina D e o sistema imune.

A vitamina D (vit. D) é uma pro-hormona que tem sido alvo de um número crescente de pesquisas nos últimos anos. Tem demonstrado a sua função além de no metabolismo do cálcio e da formação óssea, também na sua interação com o sistema imunitário. Esta interação não é totalmente nova tendo em vista que a expressão do recetor de vit. D já foi identificada numa ampla variedade de tecidos corporais tais como cérebro, coração, pele, intestino, gónadas, próstata, seios e células imunes, além de nos ossos, rins e paratiroides.

O efeito da vitamina D no sistema imunitário traduz-se num aumento da imunidade inata associado a uma regulação multifacetada da imunidade adquirida tendo sido também demonstrada uma relação entre a deficiência de vit. D e a prevalência de algumas doenças autoimunes como a diabetes insulino-dependente, esclerose múltipla, artrite reumatóide, lúpus erimatoso sistémico e a doença inflamatória intestinal.

A vit. D parece interagir com o sistema imunitário através da ação sobre a regulação e diferenciação de células como linfócitos, macrófagos e células natural-killer (NK), além de interferir na produção de citocinas (moléculas sinalizadoras inflamatórias).


Os macrófagos, as células dendríticas e as células T e B possuem a maquinaria enzimática para produzir vit. D, e a produção de enzimas pode ser induzida por vários fatores o que tende a gerir os processos inflamatórios do organismo. Portanto, a vit. D é capaz de contribuir fisiologicamente para a regulação autócrina e parácrina de imunidade tanto inatas como adquiridas através do recetor vit. D (VDR) expresso no núcleo dessas células.

A vitamina D possui uma potente atividade reguladora sobre o sistema imunológico, que suprime o programa anormal de atividades (denominado "Th17") responsável pelas agressões imunes contra o nosso próprio organismo (doenças autoimunes). Também induz a proliferação de células reguladoras, denominadas de linfócitos T reguladores (ou "Treg") o que contribui para inibir as agressões autoimunes.

A vitamina D como pró-hormona, apresenta uma função que consiste em produzir e modificar de necessário as reações biológicas nos tecidos-alvo por mediar a transcrição do genoma através do VDR (recetor de vit. D). O mecanismo de transcrição de genoma é extremamente importante pois vai conduzir à tradução em moléculas proteicas correspondentes que determinam o curso dos processos metabólicos nas células e tecidos, ou seja a vitamina D é essencial ao processo de divisão de celular, garante que os tecidos novos são sãos (não sofreram mutação) o tende a potenciar o bom funcionamento do novo órgão/tecido celular.

Em geral, a hormona D regula a expressão de aproximadamente 3% de todo o genoma do homem (mais de 1000 genes localizados em cromossomas diferentes). 

É a abundância de evidências epidemiológicas, tanto diretas quanto indiretas, bem como uma plausibilidade biológica significativa que comprova o papel da vitamina D no início e progressão de doenças autoimunes.

O tratamento com a vitamina D é um caminho, uma ferramenta muito útil em todo o processo de tratamento que deve ser associada a uma orientação e alteração do estilo de vida - o que se aplica em qualquer patologia.


Drª Inês Pereira
Nutricionista da Clínica do Poder
ines.pereira@clinicadopoder.pt

Saiba mais em Poder da Vitamina D

VIVA COM SAÚDE, PODER E QUALIDADE DE VIDA!

GOSTE E PARTILHE MAIS E MELHOR SAÚDE!


Referências técnicas e científicas:

Aly, H., Abdel-Hady H. (2015) Vitamin D and the neonate: An update. J Clin Neonatol; 4:1-7.

Antico, A. et alli (2012) Can supplementation with vitamin D reduce the risk or modify the course of autoimmune diseases? A systematic review of the literature. Autoimmunity Reviews. 12; 127–136

Bowles, J.T The miraculous results of extremely high doses of sunshine hormone vitamine D3. Jeff T. Bowles Publishing LLC. Amazon.co.uk, Ltd., Marston gate. GB.Vol.16. P. 137-161.

Costa, J.P., Cova M, Ferreira, R., Vitorino R. (2015) Defensins in viral infections. Applied Microbiology and Biotechnology; 99(5):2023 2040. 

Dankers W, Colin EM, van Hamburg JP and Lubberts E (2017) Vitamin D in Autoimmunity:Molecular Mechanisms and Therapeutic Potential. Front. Immunol. 7:697.

Marques, C. et alli (2010) Revisão: A importância dos níveis de vitamina D nas doenças autoimunes. Rev Bras Reumatol ;50(1):67-80

Watkins RR, Lemonovich TL, Salata RA. (2015) An update on the association of vitamin D deficiency with common infectious diseases. Canadian Journal of Physiology and Pharmacology; 93(5):363-368. 

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

PROGESTERONA: UM INGREDIENTE-CHAVE PARA A SAÚDE IDEAL

Parece haver um equívoco comum entre médicos e pacientes de que todos as hormonas são iguais. A diferença básica entre hormonas químicas e hormonas naturais é que as primeiras podem tem efeitos colaterais e as segundas não. Isso ocorre porque os efeitos colaterais são propriedade de drogas e não de alimentos. Consequentemente, segue-se que as hormonas obtidas a partir de fontes naturais de alimentos, também conhecidas como "hormonas bio-idênticas", não têm os mesmos efeitos negativos associados aos produtos de hormonas sintéticas.
Os fármacos hormonais de prescrição mais comuns incluem várias formas de estrogénio e progestágeno, uma progesterona sintética que atua mais como estrogénio do que a progesterona. A pacientes do sexo feminino são tipicamente prescritas essas hormonas sintéticas para ajudar com seu ciclo menstrual ou menopausa. Em geral, o estrogénio tem um papel fisiológico muito amplo tanto para homens como para mulheres. Os efeitos do estrogénio incluem, mas não estão limitados, a seguinte: retenção de água, envelhecimento, stresse, perda de memória, hipoglicemia, aumento da gordura, hipotireoidismo, aborto espontâneo, infertilidade, fibromas uterinos, coagulação sanguínea, espasmo vascular, colesterol aumentado, doença da vesícula biliar e cancro. 

A principal causa de problemas de saúde relacionados com hormonas em mulheres não é devido à deficiência absoluta de estrogénio ou progesterona, mas sim a dominância relativa de estrogénio e deficiência relativa de progesterona. Por esta razão, deve ser evitada a terapia de reposição hormonal (TRH) com estrógeno sozinho sem uma progesterona oposta, como o medicamento Premarin. Este substituto hormonal químico difere do estrogénio natural no próprio corpo e contribui para aumentar o estrogénio. O aumento do estrogénio, por sua vez, aumenta o risco de danos ao DNA, cancro (por exemplo, endométrio, cancro de mama, etc.) e dominância de estrogénio. Outros fatores que contribuem para excesso de estrogénio incluem fadiga adrenal, estrogénio ambiental, obesidade, stresse, dieta pobre e falta de exercício.


O excesso de estrogénio pode resultar em doenças tão comuns como depressão, aumento de peso, insónia, ansiedade, desequilíbrio de açúcar no sangue, enxaquecas e fadiga crónica devido à exaustão da glândula adrenal. Além disso, o stresse pode resultar não apenas na exaustão da glândula adrenal, mas na redução da produção de progesterona e aumento da produção de estrogénio. Uma redução adicional na produção de progesterona contribui para todos os problemas associados à dominância do estrogénio ("O stresse agudo melhora persistentemente os níveis de estrogénio no rato feminino", Shors et al., Stress. 3 (2): 163-71, 1999.

Curiosamente, a natureza forneceu- nos a progesterona, que atua como antagonista do estrogénio. Por exemplo, o estrogénio estimula o desenvolvimento dos quistos mamários, enquanto a progesterona protege. O estrogénio favorece a retenção de sal e água, enquanto a progesterona é um diurético natural. O estrogénio está associado ao cancro da mama e do endométrio, enquanto a progesterona possui um efeito preventivo de cancro. De facto, estudos mostraram que as mulheres na pré-menopausa deficientes em progesterona apresentaram 5,4 vezes o risco de cancro da mama em comparação com mulheres saudáveis ("Incidência de cancro de mama em mulheres com história de deficiência de progesterona", Cowan et al., Am J Epidemiol, 114 ( 2): 209-17, agosto de 1981).

Aqui estão algumas respostas a perguntas frequentes que os pacientes fazem sobre a progesterona:

1. A suplementação com progesterona é segura? Sim. Nenhum efeito colateral foi atribuído à progesterona natural na literatura científica ou médica. Embora doses muito elevadas de estrogénio tenham sido identificadas como causadoras da destruição de determinadas áreas do córtex adrenal, doses muito elevadas de progesterona demonstraram ter efeitos anti-stresse, sem prejudicar as glândulas supra-renais.

2. Devo tomar progesterona se estiver gravida? Um artigo "Medical News" em uma edição de 1976 de JAMA relata um estudo que mostra que a progesterona provavelmente desempenha um papel crítico na prevenção da rejeição do feto pela mãe. O uso antes e durante a gravidez também está associado a uma menor incidência de defeitos congénitos. Estudos em animais também mostraram que a progesterona pré-natal aumenta o tamanho do cérebro, que está associada a uma longa vida. Por outro lado, o excesso de estrogénio reduz o tamanho do cérebro e o comportamento danoso, o que pode, por sua vez, afetar adversamente uma gestação subsequente ("A epigenética das diferenças sexuais no cérebro", McCarthy et al.J Neurosci. 2009 14 de outubro; 29 (41): 12815-12823).


3. Posso usar progesterona para perda de peso? Sim. Os principais motivos para o uso de progesterona para fins de perda de peso são diminuir os efeitos da insulina e da adrenalina. Isso ocorre porque a insulina transporta o açúcar para o tecido adiposo para armazenamento, o que, por sua vez, estimula a libertação de adrenalina para aumentar os níveis de açúcar criando novamente um ciclo de feedback positivo. Consequentemente, à medida que os episódios de hipoglicemia diminuem, a produção de adrenalina para contrariar a hipoglicemia também diminui. A diminuição da adrenalina significa que menos açúcar é produzido, é necessária menos insulina para armazenar açúcar como gordura e, portanto, mais peso pode ser perdido.


4. A progesterona ajuda com a insónia? Sim. A progesterona, que está mais concentrada no tecido cerebral, aumenta a produção de GABA no cérebro, que, por sua vez, promove o sono.

5. Qual é a dose diária recomendada de progesterona? A dose vai depender da avaliação e acompanhamento clínico, assim com das necessidades e objetivos da pessoa.

Traduzido e adaptado de:
Dr. Daniel F. Royal weighs in on the benefits of Progesterone.
Dr. Daniel F. Royal, DO, HMD, JD
Turtle Healing Band Clinic, Las Vegas, Nevada
Publicado em Janeiro de 2017 in https://www.worldhealth.net/





terça-feira, 2 de janeiro de 2018

O PSA NÃO É INDICADOR ESPECÍFICO DO CANCRO DA PRÓSTATA!




PSA (Prostatic Specific Antigen) - Antigénio Específico da Próstata - é uma proteína segregada pelas glândulas prostáticas.

Constitui um fantasma na cabeça de muitos homens. É um indicador de alterações inflamatórias da próstata. É importante perceber que o PSA não é um indicador específico de cancro da próstata.

“O PSA não é um tema a tratar”- esclarece o Dr. José Pereira da Silva, - “o que pode fazer sentido, e muito frequentemente faz sentido, é tratar as razões pelas quais o PSA se mostra alterado!”

Assista ao vídeo! O Dr. José Pereira da Silva explica o que pode alterar o PSA, fazê-lo subir ou descer.

Obtenha mais informações em Clínica do Poder

Contacte nos em Clínica do Poder


VIVA COM PODER E QUALIDADE DE VIDA!


GOSTE E PARTILHE MAIS E MELHOR SAÚDE!

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

NUTRIÇÃO E NUTRIGENÉTICA PODEM AJUDAR A MELHORAR A NOSSA SAÚDE, ENERGIA E VITALIDADE!





Podemos através da nossa alimentação fazer expressar os genes ou inativá-los e assegurando assim a sua estabilização. Perceber estas modificações pode melhorar significativamente a expressão dos genes, alterar a funcionalidade dos órgãos e metabolismos e depois obter uma resposta orgânica/feedback do organismo.
A avaliação genómica alerta-nos para um role grande de situações que torna possível um aconselhamento correto dos alimentos que devemos ingerir. Melhorando desta forma, o nosso de estado de saúde, energia, vitalidade – qualidade de vida!
A Drª Inês Pereira, Nutricionista, explica. Saiba mais no vídeo!

Obtenha mais informações em Nutrição e Nutrigenómica

Contacte-nos em Clínica do Poder

VIVA COM PODER E QUALIDADE DE VIDA!

GOSTE E PARTILHE MAIS E MELHOR SAÚDE!

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

A EJACULAÇÃO PRECOCE TEM TRATAMENTO





Estima-se que 1/3 dos homens sofrem de ejaculação precoce.

A ejaculação precoce é uma patologia sexual muito comum.

Cerca de 75% dos casos de ejaculação precoce são devidos à Prostatite ou a Uretrite. Essa inflamação constante gera uma maior sensibilidade na região pélvica, o que favorece o aparecimento da ejaculação precoce.

Embora seja curável na maioria das situações, muitos homens a desvalorizam. Receiam não haver tratamento para os seus casos específicos, ou por vergonha, não procuram ajuda.

Não é necessário sofrer sozinho, nó podemos ajudar! Assista ao vídeo!


Contacte-nos em Clínica do Poder

Obtenha mais informações em Ejaculação Precoce


VIVA COM PODER E QUALIDADE DE VIDA!

GOSTE E PARTILHE MAIS E MELHOR SAÚDE!