quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

VITAMINA D – BOA APENAS PARA TER OSSOS FORTE?

A vitamina D é um grupo de pró-hormonas lipossolúveis que o ser humano (e a maioria das plantas e animais) produz através da exposição ao sol.
Durante muito tempo a vitamina D era considerada a vitamina "esquelética". Níveis baixos são associados ao raquitismo e à osteoporose. Mas a ciência têm mostrado o papel muito mais abrangente da vitamina D. A sua ação ou a sua falta no organismo podem significar uma questão de vida ou morte.


Um grupo de investigadores da Universidade de Cambridge, da Universidade de Oxford, da Escola de Saúde Pública de Harvard e de outras sete instituições concluiu que reduzidos níveis de vitamina D são responsáveis por quase 13% das mortes nos Estados Unidos, 100.000 de americanos por ano. Essa taxa compara-se a 20% das mortes atribuíveis ao tabagismo, 11% à falta de exercício e 9% ao consumo de álcool. Na Europa, 9,4% de todos os óbitos foram atribuídos à deficiência de vitamina D. A pesquisa definiu a deficiência de vitamina D como sendo uma concentração sanguínea de 25-hidroxivitamina D inferior a 30 ng/mL. Estima-se que 69,5% dos americanos são deficientes em vitamina D. Na Europa, estima-se que 86,4% da população é deficiente de vit. D.



Existem duas formas principais de vitamina D. A sua forma Vit. D2 (ergocalciferol) é encontrada em plantas. É produzida pela irradiação de UV-B de ergosterol. A vitamina D3 (colecalciferol), por outro lado, é sintetizada na epiderme humana através da irradiação UV-B de 7-desidrocolesterol. Também pode ser ingerida, porém em quantidades reduzidas, através de alimentos do quotidiano (como por exemplo em peixe, ostras, etc.), ou em suplementação.



As vitaminas D2 e D3 são biologicamente inertes. Para a sua ativação e transformação na forma ativa de hormona D, a vitamina D3 transforma-se até 1, 25 dihidroxivitamina D (1, 25 (OH)2 D). Esta forma ativa tem como função gerar e modificar as reações biológicas nos tecidos-alvo mediante a regulação de transcrição de genes – atuando assim como uma hormona.

Imunidade


A eficiência da imunidade inata é fortemente dependente da vitamina D e além disso possui uma potente atividade reguladora sobre o sistema imunológico, que suprime o programa anormal de atividades (denominado "Th17") responsável pelas agressões imunes contra o nosso próprio organismo (doenças autoimunes).



Divisão celular

A vitamina D pode influenciar várias vias de resposta biológica envolvidas no crescimento celular, proliferação e apoptose, bem como funções do sistema imunitário. Os receptores de vit. D e a enzima necessária para a sua ativação estão presentes na maioria das células e tecidos humanos, o que relembra o seu papel importante na imensidão de processos fisiológicos “não esqueléticos”.

Expressão genómica

Foram encontrados aproximadamente 3000 locais de ligação para o receptor de vit. D ao longo do genoma humano, direta ou indiretamente.




Longevidade

Concentrações mais elevadas de vitamina D estão associadas com maior comprimento de telómeros de leucócitos, um determinante genético potencial nos distúrbios relacionados à idade e longevidade geral.

Nutrição

ines.pereira@clinicadopoder.pt

Referências:

http://www.greenmedinfo.com/blog/how-get-vitamin-d-without-sun?page=2

http://www.greenmedinfo.com/blog/vitamin-d-how-much-and-what-are-its-benefits1

Chowdhury, R., Kunutsor, S., Vitezova, A., Oliver-Williams, C., Chowdhury, S., Kiefte-de-Jong, J. C., et al (2014). Vitamin D and risk of cause specific death: systematic review and meta-analysis of observational cohort and randomised intervention studies. The BMJ, 348, g1903. http://doi.org/10.1136/bmj.g1903



Saiba mais sobre como pode beneficiar-se com o tratamento de vitamina D em Poder da Vitamina D 



Sem comentários:

Publicar um comentário