segunda-feira, 20 de junho de 2016

OS HOMENS PRECISAM DE UM LUGAR PARA FAZEREM SEXO, AS MULHERES PRECISAM DE UM PROPÓSITO

O desejo sexual da mulher não pode ser visto através da mesma lente com que se olha para o desejo sexual do homem. Se o último está mais dependente de impulsos biológicos, fantasias, imagens, ânsias ou pensamentos espontâneos sobre o sexo, na mulher o desejo sexual está mais dependente do contexto ou se quisermos da “atmosfera relacional” em que o casal atualmente se encontra. Isto é especialmente evidente em casos onde já existe um relacionamento estabelecido.

Estudos demonstram-nos que as razões principais para a mulher despertar o seu desejo sexual estão muito mais relacionadas com a vontade de desfrutar de uma proximidade relacional, a satisfação do parceiro ou a comunicação íntima através do sexo, do que com impulsos puramente biológicos.



À parte da relevância dos aspectos médicos e fisiológicos da Saúde Sexual Feminina, as pesquisas sobre o assunto referem-nos que a acessibilidade da mulher para a experiência sexual está particularmente dependente do contexto de uma dada interação sexual, um contexto que inclui a intimidade emocional, a saúde mental da mulher e o próprio contexto sexual. Vamos explorar um pouco mais estes tópicos abaixo.

INTIMIDADE EMOCIONAL

A sensação geral de proximidade emocional, a confiança, a capacidade para se entregar e a aptidão para comunicar e ser validada nesta mesma comunicação por parte do parceiro, são aspetos altamente relevantes na disponibilidade e abertura da mulher para se ativar sexualmente. A ideia popular de que o homem precisa de sexo para se tornar mais íntimo na relação enquanto a mulher precisa de intimidade para se tornar mais sexual, não está longe da verdade.

Por esta razão é praticamente impossível avaliar com precisão a falta de desejo sexual numa mulher, sem ter em consideração a qualidade da sua relação e o nível respetivo de intimidade emocional.

A satisfação de uma experiência gastronômica excecional tem de tomar em consideração o ambiente, o serviço, a apresentação da comida e o seu sabor. Também ajuda muito se o parceiro estiver particularmente atraente e bom conversador.

SAÚDE MENTAL

Quanto menos uma mulher estiver a sofrer com problemas de baixa autoestima, uma imagem corporal fragilizada, depressão, ansiedade ou histórias de abuso sexual, emocional ou físico, maior será a probabilidade do sexo ser desfrutado e apreciado.

A depressão está fortemente associada à redução da função sexual. Infelizmente e ironicamente, a própria prescrição de antidepressivos em especial os inibidores da recaptação da serotonina (Zoloft, Fluoxetina, Sertralina, Citalopram, etc) produzem efeitos secundários como a redução do desejo sexual e da excitação.





Em termos de história sexual, as mulheres com historial de abuso sexual ou físico vão carregar dentro de si certos condicionalismos negativos e podem associar a intimidade sexual a uma atividade que as pode ameaçar de alguma maneira ou causar uma sensação de perigo.   

As mensagens absorvidas na família de origem sobre a sexualidade ou certas orientações religiosas também podem causar impactos relevantes na sexualidade. Uma casa que seja extremamente religiosa e repressiva, onde por exemplo a masturbação é vista como um pecado, deixará conclusões pouco saudáveis na cabeça da pessoa relativas à sua sexualidade íntima.

CONTEXTO SEXUAL     

Este fator refere-se ao modo como o ato sexual está a ser experienciado no momento em que ocorre. Isto inclui o sentimento de como o parceiro está ou não a ser romântico e sedutor, quanto tempo tira para os preliminares e para se assegurar da excitação da parceira, o próprio nível de competência que o casal demonstra no dar e receber prazer. Se quisermos, é ver quão fluida e coordenada é a dança sexual entre o casal.

A comunicação sexual entre ambos deve ser tida em conta de maneira a que a necessidade de aumentar a excitação sexual seja percetível e respondida, quer verbalmente quer não-verbalmente (a não-verbal é por norma mais graciosa). Isto ajuda à excitação e ao aumento de prazer.

Se a experiência sexual é altamente prazerosa, é óbvio que haverá no futuro uma antecipação e uma expetativa mais positiva, reforçando uma boa resposta. Uma lei básica da aprendizagem é a de que qualquer comportamento que seja corretamente reforçado tem muito maior probabilidade de ocorrer no futuro.




Se houver egoísmo ou falta de satisfação mútua devido a uma pobre comunicação durante o ato, o sexo vai tornar-se no mínimo insatisfatório e pode acabar numa espécie de obrigação. Não é de esperar um grande desejo sexual depois deste cenário.

Outra ideia popular é a de que os homens só conseguem fazer uma tarefa de cada vez enquanto as mulheres realizam múltiplas. Para os homens é mais fácil centrarem-se na “caça” ou na perseguição de “objetivos”, excluindo todos os outros estímulos que os distraiam disso. As mulheres por outro lado estão evolucionariamente mais aptas para prestarem atenção à casa, aos miúdos, à comida, à comunidade e a fazerem vários papéis. A sua consciência está por norma focada em múltiplas demandas e assim, a capacidade para se desligar de todas as distrações e estar inteiramente presente para o sexo é um desafio descomunal.

A perceção de sentimentos de stresse perturba a disponibilidade sexual da mulher. Preocupações sobre os miúdos, sobre ser interrompida, de dificuldades familiares ou da possibilidade de uma gravidez indesejada tornam a ativação do desejo sexual uma tarefa deveras complicada.



Basson (2006) chama a atenção de que muitas mulheres acedem às exigências sexuais dos seus parceiros sem tomarem responsabilidade pelo seu próprio prazer, fazendo-as desenvolver fracas expetativas e insatisfação perante a sua relação sexual. Isto leva ao evitamento ou a colocação do sexo como uma das últimas prioridades nas suas vidas.

Mulheres com elevados níveis de stresse, distração ou dificuldades em tomarem conta do seu próprio prazer, podem usufruir grandemente com a aprendizagem de técnicas básicas de Mindfulness ou de Focusing de modo a recuperarem e regularem o seu Bem-Estar.

Ajudará também compreender que embora a maioria dos homens precise apenas de um lugar para fazer sexo, as mulheres precisam de um propósito, e, nesse sentido, se os homens cuidarem do contexto e da atmosfera relacional em que se encontra o casal, o desejo sexual feminino poderá ter mais propósitos para ser bem - sucedido. 

Fonte: Psychology Today 

Traduzido e adaptado pelo Mestre João da Fonseca
Psicólogo Clínico e Psicoterapêuta

Sem comentários:

Publicar um comentário