sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

PROGESTERONA: UM INGREDIENTE-CHAVE PARA A SAÚDE IDEAL

Parece haver um equívoco comum entre médicos e pacientes de que todos as hormonas são iguais. A diferença básica entre hormonas químicas e hormonas naturais é que as primeiras podem tem efeitos colaterais e as segundas não. Isso ocorre porque os efeitos colaterais são propriedade de drogas e não de alimentos. Consequentemente, segue-se que as hormonas obtidas a partir de fontes naturais de alimentos, também conhecidas como "hormonas bio-idênticas", não têm os mesmos efeitos negativos associados aos produtos de hormonas sintéticas.
Os fármacos hormonais de prescrição mais comuns incluem várias formas de estrogénio e progestágeno, uma progesterona sintética que atua mais como estrogénio do que a progesterona. A pacientes do sexo feminino são tipicamente prescritas essas hormonas sintéticas para ajudar com seu ciclo menstrual ou menopausa. Em geral, o estrogénio tem um papel fisiológico muito amplo tanto para homens como para mulheres. Os efeitos do estrogénio incluem, mas não estão limitados, a seguinte: retenção de água, envelhecimento, stresse, perda de memória, hipoglicemia, aumento da gordura, hipotireoidismo, aborto espontâneo, infertilidade, fibromas uterinos, coagulação sanguínea, espasmo vascular, colesterol aumentado, doença da vesícula biliar e cancro. 

A principal causa de problemas de saúde relacionados com hormonas em mulheres não é devido à deficiência absoluta de estrogénio ou progesterona, mas sim a dominância relativa de estrogénio e deficiência relativa de progesterona. Por esta razão, deve ser evitada a terapia de reposição hormonal (TRH) com estrógeno sozinho sem uma progesterona oposta, como o medicamento Premarin. Este substituto hormonal químico difere do estrogénio natural no próprio corpo e contribui para aumentar o estrogénio. O aumento do estrogénio, por sua vez, aumenta o risco de danos ao DNA, cancro (por exemplo, endométrio, cancro de mama, etc.) e dominância de estrogénio. Outros fatores que contribuem para excesso de estrogénio incluem fadiga adrenal, estrogénio ambiental, obesidade, stresse, dieta pobre e falta de exercício.


O excesso de estrogénio pode resultar em doenças tão comuns como depressão, aumento de peso, insónia, ansiedade, desequilíbrio de açúcar no sangue, enxaquecas e fadiga crónica devido à exaustão da glândula adrenal. Além disso, o stresse pode resultar não apenas na exaustão da glândula adrenal, mas na redução da produção de progesterona e aumento da produção de estrogénio. Uma redução adicional na produção de progesterona contribui para todos os problemas associados à dominância do estrogénio ("O stresse agudo melhora persistentemente os níveis de estrogénio no rato feminino", Shors et al., Stress. 3 (2): 163-71, 1999.

Curiosamente, a natureza forneceu- nos a progesterona, que atua como antagonista do estrogénio. Por exemplo, o estrogénio estimula o desenvolvimento dos quistos mamários, enquanto a progesterona protege. O estrogénio favorece a retenção de sal e água, enquanto a progesterona é um diurético natural. O estrogénio está associado ao cancro da mama e do endométrio, enquanto a progesterona possui um efeito preventivo de cancro. De facto, estudos mostraram que as mulheres na pré-menopausa deficientes em progesterona apresentaram 5,4 vezes o risco de cancro da mama em comparação com mulheres saudáveis ("Incidência de cancro de mama em mulheres com história de deficiência de progesterona", Cowan et al., Am J Epidemiol, 114 ( 2): 209-17, agosto de 1981).

Aqui estão algumas respostas a perguntas frequentes que os pacientes fazem sobre a progesterona:

1. A suplementação com progesterona é segura? Sim. Nenhum efeito colateral foi atribuído à progesterona natural na literatura científica ou médica. Embora doses muito elevadas de estrogénio tenham sido identificadas como causadoras da destruição de determinadas áreas do córtex adrenal, doses muito elevadas de progesterona demonstraram ter efeitos anti-stresse, sem prejudicar as glândulas supra-renais.

2. Devo tomar progesterona se estiver gravida? Um artigo "Medical News" em uma edição de 1976 de JAMA relata um estudo que mostra que a progesterona provavelmente desempenha um papel crítico na prevenção da rejeição do feto pela mãe. O uso antes e durante a gravidez também está associado a uma menor incidência de defeitos congénitos. Estudos em animais também mostraram que a progesterona pré-natal aumenta o tamanho do cérebro, que está associada a uma longa vida. Por outro lado, o excesso de estrogénio reduz o tamanho do cérebro e o comportamento danoso, o que pode, por sua vez, afetar adversamente uma gestação subsequente ("A epigenética das diferenças sexuais no cérebro", McCarthy et al.J Neurosci. 2009 14 de outubro; 29 (41): 12815-12823).


3. Posso usar progesterona para perda de peso? Sim. Os principais motivos para o uso de progesterona para fins de perda de peso são diminuir os efeitos da insulina e da adrenalina. Isso ocorre porque a insulina transporta o açúcar para o tecido adiposo para armazenamento, o que, por sua vez, estimula a libertação de adrenalina para aumentar os níveis de açúcar criando novamente um ciclo de feedback positivo. Consequentemente, à medida que os episódios de hipoglicemia diminuem, a produção de adrenalina para contrariar a hipoglicemia também diminui. A diminuição da adrenalina significa que menos açúcar é produzido, é necessária menos insulina para armazenar açúcar como gordura e, portanto, mais peso pode ser perdido.


4. A progesterona ajuda com a insónia? Sim. A progesterona, que está mais concentrada no tecido cerebral, aumenta a produção de GABA no cérebro, que, por sua vez, promove o sono.

5. Qual é a dose diária recomendada de progesterona? A dose vai depender da avaliação e acompanhamento clínico, assim com das necessidades e objetivos da pessoa.

Traduzido e adaptado de:
Dr. Daniel F. Royal weighs in on the benefits of Progesterone.
Dr. Daniel F. Royal, DO, HMD, JD
Turtle Healing Band Clinic, Las Vegas, Nevada
Publicado em Janeiro de 2017 in https://www.worldhealth.net/





Sem comentários:

Publicar um comentário