terça-feira, 14 de abril de 2020

REVISÃO DA EVOLUÇÃO DA PANDEMIA - COVID 19

Devido à rápida mudança da natureza da pandemia COVID-19, gostaríamos de partilhar consigo alguns dos artigos mais impactantes e clinicamente relevantes.

Este é um retrato das melhores práticas emergentes durante uma pandemia em rápida evolução. Toda e qualquer informação atualmente disponível relacionada com a COVID-19 está sujeita a alterações à medida que mais detalhes forem ficando disponíveis. Algumas das informações abaixo indicadas podem também ser contraditas pelas autoridades de saúde locais ou mundiais. 


Esperamos que esta informação seja útil para percebermos um pouco melhor os contornos sinuosos e por vezes aparentemente contraditórios da evolução da Pandemia entre nós e no quadro mais geral da Europa e do Mundo.

 1. A Alemanha é o líder em camas de cuidados intensivos: De acordo com um relatório recente, mesmo antes do início da crise, a Alemanha tinha 33,9 camas de cuidados intensivos por 100.000 habitantes, ou seja, um total de cerca de 28.000. Em Itália (8,6), em Espanha (9,7), em Portugal em 2010, (4,2).

2. Um grupo de investigadores italianos comenta a ideia do uso profilático de cloroquina e hidroxicloroquina em grande escala para fazer face à pandemia da COVID-19. As principais preocupações dos peritos são as seguintes: 

Se é ético propor a administração de cloroquina ou de hidroxicloroquina para evitar a propagação da COVID-19 sem dados médicos baseados em provas para a apoiar.
No que respeita ao princípio "não causar danos", se existe um risco, embora "controlado", em caso de pandemia.  

Na ausência de contra-indicações, poderiam estes medicamentos ser candidatos ideais para a profilaxia de pessoas saudáveis em regiões de risco ou para pessoas positivas mas assintomáticas como terapias baratas e seguras?

Na pendência de dados científicos sólidos, a comunidade científica está a avaliar o uso profilático de medicamentos antimaláricos. Se esta abordagem for aceite globalmente, as existências de cloroquina e hidroxicloroquina podem não ser suficientes.

3. Um dilema ético: quem se salva? Antes impensável, agora é necessário realizar discussões e os médicos já têm uma grande necessidade de orientação. No Reino Unido, a orientação com um quadro ético foi atualizada pela última vez em 2017 e mencionada: "toda a gente é igual - mas isto não significa que todos sejam tratados da mesma maneira". Organizações profissionais, como a British Medical Association e o Royal College of Physicians, também estão a criar orientações para os seus membros. 


4. As autoridades da UE estão a trabalhar com a cadeia de abastecimento farmacêutico para atenuar e prevenir a escassez de medicamentos para a COVID-19. 

5. Um novo estudo mostra que os pacientes com diabetes correm um risco mais elevado de pneumonia grave, lesões dos tecidos e inflamação excessiva. Os principais resultados incluem o facto de (1) com diabetes, mais alterações patológicas na TAC do tórax, escores de imagem mais elevados e (2) os pacientes com diabetes terem taxas mais elevadas de pneumonia grave, enzimas relacionadas com lesões teciduais, respostas inflamatórias excessivamente descontroladas e estado hipercoagulável.

Fonte:

Recolhido de UNIVADIS e respeitante à semana que terminou em 10.04.2020

Sem comentários:

Publicar um comentário