sexta-feira, 12 de agosto de 2016

O QUE MUDA NO SEXO COM A ANDROPAUSA?

A Andropausa é consequência de diminuição progressiva da produção de testosterona nos homens após os 35 anos e que se torna mais evidente nos homens após os 50 anos. Esse declínio é multifatorial e envolve, além da queda natural da testosterona com a idade, alterações testiculares primárias, disfunção da regulação neuroendócrina das gonadotropinas, elevação das concentrações séricas de globulina de hormonas sexuais e do estradiol, bem como redução da sensibilidade dos recetores androgénicos. 

Existem outros fatores que estão associados a queda significativa nos níveis de testosterona como o tabagismo, consumo de álcool, sedentarismo, consumo de carne e alimentos gordurosos, stress e depressão.



Além das causas orgânicas, a manifestação da andropausa, relaciona-se também com questões de ordem emocional referentes à reforma, casamento, doenças, autoestima além de fatores sociais e culturais. Em geral, as alterações sexuais masculinas relacionadas com a andropausa são lentas e progressivas, dando tempo ao homem de se adaptar a uma atividade menos intensa.

É importante que os homens conheçam e tenham consciência dessas mudanças, para que uma eventual falha erétil não cause uma ansiedade de desempenho desastrosa, capaz de contaminar e comprometer as relações futuras. Ao atingir a andropausa, o sexo é cada vez menos carnal, tornando-se cada vez mais afetivo. As relações são menos sexuais e mais sensuais. 

O padrão de comportamento sexual dos homens pode ser de 3 tipos:

  • Parecido ao que sempre foi na sua fase adulta madura, onde ele procura manter o mesmo ritmo de relações sexuais a que sempre esteve acostumado.
  • Pode haver uma retração ou inibição da atividade sexual que tende a diminuir ou até desaparecer, como nos casais pouco ativos sexualmente e que se entregam a uma rotina sem troca de afeto, carinho ou paixão.
  • Pode ocorrer uma exacerbação da atividade sexual, numa tentativa de repetir o comportamento sexual da juventude. 

Causas da diminuição da atividade sexual:                                                                                            
  • A má qualidade da relação afetiva, onde existe falta de carinho, afeto e amor.
  • O mau estado de saúde física e mental do casal.
  • A diminuição da libido, pela queda da testosterona e pela baixa frequência das relações sexuais.
  • A disfunção erétil e as alterações de ejaculação, nomeadamente a Ejaculação Precoce.
  • Ansiedade de desempenho, onde a expetativa de falhar inibe a iniciativa de ter relações pelo medo de passar por constrangimento.
  • Os efeitos colaterais de medicamentos como anti-hipertensivos, antiácidos, beta-bloqueadores, tranquilizantes, etc.
  • O desconhecimento em relação às alterações naturais do envelhecimento, não respeitando as mudanças biológicas da idade.
  • A baixa autoestima que impede o homem de procurar parceiras ou de tomar uma iniciativa nas relações.

As alterações sexuais do homem:

  • Ansiedade de desempenho que leva ao medo de tomar a iniciativa de ter sexo.
  • Dificuldade de obter ereções espontâneas quando há necessidade.
  • A ereção é mais lenta, aumentando o tempo necessário para se chegar à rigidez adequada.
  • As ereções já não são tão firmes e nem se sustentam por tanto tempo quanto antes.
  • Há uma menor capacidade e menor necessidade de se chegar ao orgasmo, possibilitando encontros mais prolongados, mais carinhosos, que não se encerram com o orgasmo.
  • Aumenta o período refratário entre as relações, principalmente quando há o orgasmo.
  • Menor emissão de secreção uretral, menor volume do material ejaculado, menor pressão da ejaculação, orgasmo mais curto.

Como lidar com a Andropausa?

  • Fazer uma preparação para o avançar da idade ainda entre os 40 e 50 anos, identificando e afastando os fatores de risco que provocam ou que aceleram o envelhecimento.
  • Cultivar bons hábitos alimentares, perder e manter o peso adequado, praticar exercício físico ou fazer caminhadas com a parceira, cultivar relações de amizade, manter bom convívio familiar.
  • Entender, aceitar e adaptar-se progressivamente às alterações do envelhecimento.
  • Eliminar os fatores de risco como fumo, drogas, álcool, sedentarismo, excesso de gordura, sal e açúcar.
  • Cuidar da higiene e da boa aparência.
  • Tratar as doenças crónicas como diabetes e hipertensão. Tratar os problemas psicológicos e emocionais como ansiedade, stress e depressão. Manter elevada a autoestima, estimular as fantasias sexuais, e ter uma parceira sexual ativa.
  • Manter relações sexuais regularmente. A baixa frequência da atividade sexual diminui a libido e aumenta a probabilidade de um mau desempenho, alimentando um ciclo vicioso prejudicial ao bom convívio amoroso. A regularidade das relações sexuais eleva a autoestima, a autoconfiança e a vontade de repetir as experiências prazerosas. Uma boa relação sexual serve de estímulo, dando mais confiança para as relações seguintes.

Na Clínica do Poder encontra uma solução integrada que pode incorporar a Terapia Laser de Baixa Intensidade, Reposição e Otimização Hormonal, otimização do regime alimentar, atividade física e da higiene emocional e psicológica, que visa potenciar a saúde e restabelecer o seu PODER INDIVIDUAL SAUDÁVEL E ENERGIA SEXUAL. 

Fisioterapia
geral@clinicadopoder.pt

Para mais informações consulte Clínica do Poder. 

Contacte-nos! 

VIVA COM SAÚDE, PODER E QUALIDADE DE VIDA!

GOSTE E PARTILHE MAIS E MELHOR SAÚDE!

Sem comentários:

Publicar um comentário